• Plano Pastoral 2016 2017
  • Imagem Páscoa
  • Imagem peregrina São Romão

Página não encontrada

Ops! Ocorreu um erro.

Não foi possível encontrar a página que procura. Este erro pode ter ocorrido devido a uma das seguintes razões:

  1. A página mudou de nome.
  2. O link em que clicou estava errado.
  3. A página está temporariamente desactivada.
  4. Esta página não existe. Verifique se inseriu o endereço correctamente no seu browser.
  5. Esta página já existiu mas foi apagada.

Voltar à página inicial

Leituras do dia

  • Quarta-feira, dia 23 de Agosto de 2017 : Livro de Juízes 9,6-15.
    Naqueles dias, todos os chefes de Siquém e todo o Bet-Milo se reuniram junto do carvalho da estela que está em Siquém e proclamaram rei Abimelec. Quando deram a notícia a Joatão, ele foi colocar-se no cimo do monte Garizim e levantou a voz, dizendo: «Escutai-me, chefes de Siquém e Deus também vos escutará. Certo dia, as árvores resolveram escolher um rei. Disseram à oliveira: ‘Reina sobre nós’. A oliveira respondeu-lhes: ‘Terei de renunciar ao meu azeite, que dá honra aos deuses e aos homens, para me baloiçar por cima das árvores?’. Então as árvores disseram à figueira: ‘Vem tu reinar sobre nós’. Mas a figueira respondeu-lhes: ‘Terei de renunciar à doçura do meu saboroso fruto, para ir baloiçar-me por cima das árvores?’. E as árvores disseram à videira: ‘Vem tu reinar sobre nós’. Mas a videira respondeu-lhes: ‘Terei de renunciar ao meu vinho novo, que alegra os deuses e os homens, para ir baloiçar-me por cima das árvores?’. Então todas as árvores disseram ao espinheiro: ‘Vem tu reinar sobre nós’. E o espinheiro respondeu às árvores: ‘Se é de boa fé que me quereis ungir como vosso rei, vinde acolher-vos à minha sombra. Se não, sairá fogo do espinheiro e devorará os cedros do Líbano’».
  • Quarta-feira, dia 23 de Agosto de 2017 : Livro de Salmos 21(20),2-3.4-5.6-7.
    Senhor, o rei alegra-se com o vosso poder e exulta de contente com o vosso auxílio. Satisfizestes os anseios do seu coração, não rejeitastes o pedido de seus lábios. Vós o cumulastes de bênçãos preciosas, cingistes sua fronte com uma coroa de ouro fino. Pediu-vos a vida e Vós lha concedestes, uma vida longa para muitos anos. Graças à vossa proteção, é grande a sua glória, Vós o revestistes de esplendor e majestade. Para sempre o abençoastes e enchestes de alegria na vossa presença.
  • Quarta-feira, dia 23 de Agosto de 2017 :
  • Quarta-feira, dia 23 de Agosto de 2017 : Evangelho segundo S. Mateus 20,1-16a.
    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meia manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’. Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’. Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.»